A DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) é muito utilizada na contabilidade para analisar o desempenho financeiro de uma empresa, já que permite fazer o acompanhamento dos resultados mês a mês e monitorar as receitas, custos e despesas. Trata-se, portanto, de um relatório que mostra se operações de uma empresa estão sendo lucrativas ou gerando prejuízos. 

Utilizar a DRE para definir as estratégias de negócio de uma empresa pode ser essencial para entender cada etapa que compõe o resultado líquido da empresa. Isso pode ser feito por meio de um confronto das receitas, custos e despesas levantados, o que resulta em informações relevantes para as tomadas de decisão.

O que deve constar na DRE? 

É preciso entender todos os itens que devem constar nessa demonstração antes de fazer a análise dela. Ainda, é importante destacar que todas as receitas, custos e despesas devem ser adicionadas na data em que ocorreram (regime de competência) e não quando foram pagas necessariamente. Veja a seguir os principais grupos de contas que devem constar na demonstração:

  • Receita Bruta: aqui deve ser apresentada toda a receita gerada pela venda de produtos, prestação de serviços e demais receitas das atividades que a empresa executa;
  • Deduções e Impostos s/ Receita Bruta: são os descontos incondicionais em notas fiscais além dos abatimentos/cancelamentos de vendas e todos os impostos sobre o faturamento;
  • Receita Líquida: outro item que deve estar na declaração é a receita líquida, que é obtida por meio da subtração do faturamento com as deduções e impostos;
  • Custo Variável (CPV ou CMV): o Custo de Produtos Vendidos, o Custo de Mercadorias Vendidas e o Custo dos Serviços Prestados também aparecem no DRE. Trata-se dos gastos relacionados à fabricação de produtos, compra de mercadorias ou gastos envolvendo prestação de serviços ou outros custos diretamente relacionados às atividades da empresa e necessários para gerar faturamento;
  • Lucro Bruto/Margem de Contribuição: pode ser obtida ao subtrair a receita líquida dos Custos Variáveis;
  • Despesas/Custos Fixos: outro item importante são as despesas e custos fixos que consistem em valores que costumam a não mudam conforme faturamento. 
  • Resultado Líquido: equivale aos lucros ou aos prejuízos verificados depois do lançamento de todas as receitas e despesas listadas anteriormente.  

Como fazer a análise ?

  1. Análise vertical: permite entender qual o percentual(peso) de cada conta em relação à receita bruta. 
  2. Análise horizontal: permite identificar a proporção entre aumento e diminuição de receitas, custos e despesas ao longo do tempo. 
  3. Planejado x realizado: permite acompanhar as metas planejadas e verificar se estão sendo alcançadas, ou se é preciso tomar alguma medida para chegar nos números ideais. 
  4. Indicadores de desempenho: por meio da DRE também é possível monitorar o progresso a partir de indicadores específicos, como faturamento, lucratividade ou ticket médio. 

Qual a diferença entre DRE e fluxo de caixa?

Ambas servem para acompanhar a saúde financeira da empresa e se complementam. No entanto, o fluxo de caixa se baseia apenas nas entradas e saídas de caixa da empresa, como o próprio nome indica. Já a DRE indica todas as receitas, custos e despesas por regime de competência (quando ocorreram de fato e não quando foram pagas = fluxo de caixa), por isso oferece uma visão mais aprofundada e de longo prazo.

× Como posso te ajudar?